quarta-feira, 1 de abril de 2009

45 anos de um triste dia! Vejam que a mídia disse nesse dia!


Veja a Manchete do O Globo em 1o de Abril de 1964

UMA VEZ GOLPISTA, SEMPRE GOLPISTA!


Completa hoje 45 anos do Golpe Militar. Evento que não vivi, mas escutei muitas histórias. Não quero aqui repetir o que todos já sabem, sobre a violência imposta e nem sobre quais interesses das elites o golpe veio servi. Quero hoje lembrar de todos aqueles e aquelas que resistiram bravamente a essa bárbarie instalada no país.

Mães sem filhos, maridos sem esposas, famílias destruídas em nome de um suposto comunismo que estava aproximando. Esses personagens conhecemos somente alguns, talvez eu conheça um número maior pelas leituras que fiz. Mas mesmo assim ainda é pouco. Não sabemos quem foi torturado, nem onde está Honestino Guimarães e muito menos os restos mortais da Guerrilha do Araguaia.

Será que depois de tanto sofrimento essa gente também não tem direito a memória? "Anistia não é amnésia", falou o presidente nacional da OAB. Sem dúvida... Ainda temos uma chaga aberta bem no meio do peito.

O cálice, ou melhor, cale-se ainda se pérpetua no Brasil. Não tiraram ainda esse cálice de vinho tinto de sangue... A abertura dos arquivos é o mínimo que pode exigir como reparação.

Outro dia fiquei pensando sobre o caso de o golpe não ter existido ou mesmo ter fracassado. Qual teria sido o desfecho? Ataque Norte-Americano ou um pátria mais independente? Não sei e nesse caso é muito triste pq não temos nenhuma caso na América do Sul que o desfecho não tenho sido como no Brasil.

Ao contrário disso vários hermanos latino-americanos tiraram o cálice e julgaram os torturadores. Alguns países começaram a fazer isso agora, como no caso do Uruguai. A Argentina também começou. Sem falar do caso Pinochet e o Juiz Espanhol. Será que o Brasil vai seguir na contra-mão dessa vez? Agora sim temos um "se" o Brasil fizer isso, pois alguns fizeram. Não se acovardaram diante desse sofrimento. Isso serve de exemplo para qualquer que seja a ditadura, torturou será punido. Agora ou depois...

Alguns amigos sempre me dizem, se for julgar os militares tem que julgar os terroristas. Ora, os supostos terroristas foram julgados, estiveram presos e são justamente esse que foram torturados. Todos eles foram condenados, alguns foram pro exílio e a grande maioria nem tá viva pra ser julgada. A anistia serve justamente para tirar a culpa de pessoas julgadas, não de que não foi nem julgado ainda. E os torturadores foram julgados quando? Quando algum deles estave preso?


Além de falar dos torturadores, podemos falar dos apoiadores do golpe. O que falamos da mídia brasileira? Das famílias que até hoje controlam a informação no país? Esse oligopólio da informação certamente foi fundamental para vitória do golpe.

O Emir Sader fez um desafio no blog dele, de reeditar as manchetes do 1o de abril de 1964, exatamente 45 anos atrás. O Blog da BrHistória realizou a pesquisa e publicou. Acho um grande serviço a nação isso. E por isso decido terminar a triste postagem de hoje com essa selação!

Segue as Manchetes:

Ressurge a Democracia! Vive a Nação dias gloriosos. Porque souberam unir-se todos os patriotas, independentemente das vinculações políticas simpáticas ou opinião sobre problemas isolados, para salvar o que é de essencial: a democracia, a lei e a ordem. Graças à decisão e ao heroísmo das Forças Armadas que, obedientes a seus chefes, demonstraram a falta de visão dos que tentavam destruir a hierarquia e a disciplina, o Brasil livrou-se do governo irresponsável, que insistia em arrastá-lo para rumos contrários à sua vocação e tradições. Como dizíamos, no editorial de anteontem, a legalidade não poderia ter a garantia da subversão, a ancora dos agitadores, o anteparo da desordem. Em nome da legalidade não seria legítimo admitir o assassínio das instituições, como se vinha fazendo, diante da Nação horrorizada ...
(O Globo - Rio de Janeiro - 4 de Abril de 1964)

Multidões em júbilo na Praça da Liberdade. Ovacionados o governador do estado e chefes militares. O ponto culminante das comemorações que ontem fizeram em Belo Horizonte, pela vitória do movimento pela paz e pela democracia foi, sem dúvida, a concentração popular defronte ao Palácio da Liberdade. Toda área localizada em frente à sede do governo mineiro foi totalmente tomada por enorme multidão, que ali acorreu para festejar o êxito da campanha deflagrada em Minas (...), formando uma das maiores massas humanas já vistas na cidade
(O Estado de Minas - Belo Horizonte - 2 de abril de 1964)

Salvos da comunização que celeremente se preparava, os brasileiros devem agradecer aos bravos militares que os protegeram de seus inimigos. Este não foi um movimento partidário. Dele participaram todos os setores conscientes da vida política brasileira, pois a ninguém escapava o significado das manobras presidenciais
(O Globo - Rio de Janeiro - 2 de abril de 1964)

A população de Copacabana saiu às ruas, em verdadeiro carnaval, saudando as tropas do Exército. Chuvas de papéis picados caíam das janelas dos edifícios enquanto o povo dava vazão, nas ruas, ao seu contentamento
(O Dia - Rio de Janeiro - 2 de abril de 1964)

Escorraçado, amordaçado e acovardado, deixou o poder como imperativo de legítima vontade popular o Sr João Belchior Marques Goulart, infame líder dos comuno-carreiristas-negocistas-sindicalistas. Um dos maiores gatunos que a história brasileira já registrou, o Sr João Goulart passa outra vez à história, agora também como um dos grandes covardes que ela já conheceu.
(Tribuna da Imprensa - Rio de Janeiro - 2 de abril de 1964)

A paz alcançada. A vitória da causa democrática abre o País a perspectiva de trabalhar em paz e de vencer as graves dificuldades atuais. Não se pode, evidentemente, aceitar que essa perspectiva seja toldada, que os ânimos sejam postos a fogo. Assim o querem as Forças Armadas, assim o quer o povo brasileiro e assim deverá ser, pelo bem do Brasil (Editorial de O Povo - Fortaleza - 3 de abril de 1964)

Desde ontem se instalou no País a verdadeira legalidade ... Legalidade que o caudilho não quis preservar, violando-a no que de mais fundamental ela tem: a disciplina e a hierarquia militares. A legalidade está conosco e não com o caudilho aliado dos comunistas.
(Editorial do Jornal do Brasil - Rio de Janeiro - 1º de abril de 1964)

Milhares de pessoas compareceram, ontem, às solenidades que marcaram a posse do marechal Humberto Castelo Branco na Presidência da República ... O ato de posse do presidente Castelo Branco revestiu-se do mais alto sentido democrático, tal o apoio que obteve.
(Correio Braziliense - Brasília - 16 de abril de 1964)

Vibrante manifestação sem precedentes na história de Santa Maria para homenagear as Forças Armadas. Cinquenta mil pessoas na Marcha Cívica do Agradecimento
(A Razão - Santa Maria [RS] - 17 de abril de 1964)

[...] um governo sério, responsável, respeitável e com indiscutível apoio popular, está levando o Brasil pelos seguros caminhos do desenvolvimento com justiça social - realidade que nenhum brasileiro lúcido pode negar, e que o mundo todo reconhece e proclama [...].
(Editorial da Folha de S.Paulo por Octavio Frias de Oliveira - 22 de setembro de 1971)

Vive o País, há nove anos, um desses períodos férteis em programas e inspirações, graças à transposição do desejo para a vontade de crescer e afirmar-se. Negue-se tudo a essa revolução brasileira, menos que ela não moveu o País, com o apoio de todas as classes representativas, numa direção que já a destaca entre as nações com parcela maior de responsabilidades.
(Editorial do Jornal do Brasil - Rio de Janeiro - 31 de março de 1973)

Golpe? É crime só punível pela deposição pura e simples do Presidente. Atentar contra a Federação é crime de lesa-pátria. Aqui acusamos o Sr. João Goulart de crime de lesa-pátria. Jogou-nos na luta fratricida, desordem social e corrupção generalizada.
(Jornal do Brasil, edição de 1 de abril de 1964.)

Participamos da Revolução de 1964 identificados com os anseios nacionais de preservação das instituições democráticas, ameaçadas pela radicalização ideológica, greves, desordem social e corrupção generalizada.
(Editorial do jornalista Roberto Marinho, publicado no jornal O Globo, edição de 7 de outubro de 1984, sob o título: "Julgamento da Revolução").

Mais algumas manchetes:

31/03/64 – Correio da Manhã (do editorial “Basta!”): O Brasil já sofreu demasiado com o governo atual. Agora, basta!

1°/04/64 – Correio da Manhã (do editorial, “Fora!”): Só há uma coisa a dizer ao Sr. João Goulart: Saia!

1º/04/64 – O Estado de S.Paulo (do editorial São Paulo repete 32): Minas desta vez está conosco... dentro de poucas horas, essas forças não serão mais do que uma parcela mínima da incontável legião de brasileiros que anseiam por demonstrar definitivamente ao caudilho que a nação jamais se vergará às suas imposições.

02/04/64 – O Globo: Fugiu Goulart e a democracia está sendo restaurada... atendendo aos anseios nacionais de paz, tranqüilidade e progresso... as Forças Armadas chamaram a si a tarefa de restaurar a Nação na integridade de seus direitos, livrando-a do amargo fim que lhe estava reservado pelos vermelhos que haviam envolvido o Executivo Federal.

02/04/64 – Correio da Manhã: Lacerda anuncia volta do país à democracia.

05/04/64 – O Globo: A Revolução democrática antecedeu em um mês a revolução comunista.

05/04/64 – O Estado de Minas: Feliz a nação que pode contar com corporações militares de tão altos índices cívicos. Os militares não deverão ensarilhar suas armas antes que emudeçam as vozes da corrupção e da traição à pátria.

06/04/64 – Jornal do Brasil: Pontes de Miranda diz que Forças Armadas violaram a Constituição para poder salvá-la!

09/04/64 – Jornal do Brasil: Congresso concorda em aprovar Ato Institucional.

Um comentário:

Alessandra Terribili disse...

Muito bem, amigo. É sempre bom lembrar que esses caras sempre estiveram do mesmo lado.